domingo, 26 de maio de 2013

bonsai de oliveira

OLIVEIRA 
NOME COMUM - Oliveira 


NOME CIENTÍFICO - Olea europea 


FAMILIA - Oleaceas 


ORIGEM – Mediterrâneo, da Pérsia a Portugal, bem como as Ilhas Canárias e os Açores. 


CARACTERIZAÇÃO - Árvore de médio porte, folha persistente ovaladas verdes escuras por cima e acizentadas por baixo, de elevada longevidade existem vários exemplares milenares na natureza. 


Dá flores minúsculas, que se transformam em frutos verdes que se alteram até ao negro, na maturação. A casca esverdeada torna-se nodosa nas árvores velhas. 


LOCALIZAÇÃO - No exterior a pleno sol o ano inteiro, proteger de geadas nas zonas muito frias. 


REGA - Deixar secar bem entre regas o ano inteiro, mas atenção pois a oliveira consome bastante água. 


NUTRIÇÃO - Adubar e Vitaminar de Fevereiro a Outubro. 


TRANSPLANTE - Cada 2 anos em Fevereiro, para Mistura Universal para Bonsai. 


MODELAÇÃO - A poda de manutenção realiza-se ao longo de todo o ano. Pode ser aramado na primavera e outono, normalmente ano sim ano não faz-se uma poda de formação mais forte a qual estimula a densidade da copa, no ano seguinte deixa-se alongar um pouco mais para tentar ter flores e frutos. 
PROPAGAÇÃO - Por estaca, podendo ser mesmo utilizadas estacas muito grossas. 


domingo, 19 de maio de 2013

bonsai de serissa



NOME COMUM - Serissa NOME CIENTÍFICO - Serissa foetida FAMILIA - Rubiaceas (família do cafeeiro) ORIGEM - China Meridional e Japão CARACTERIZAÇÃO - Arbusto perene de folha verde ovalada de reduzida dimensão, existem diferentes variedades, a mais comercializada como Bonsai é a
92
Serissa Japónica thunbergii e é produzida na China, existem ainda a Serissa Japónica e a Serissa de Shangai (menos comuns no nosso mercado), todas possuem uma versão variegata (de folhas brancas e verdes), a qual se deve a um vírus inócuo que terá afectado a planta mãe na origem. A maioria dá uma flor de cor branca mas existem variedades de cor rosa, podendo ocorrer o ano inteiro o auge de floração dá-se no fim do verão, deve o seu nome cientifico Serissa Foetida (mal cheirosa em latim) ao cheiro que exala após podada. LOCALIZAÇÃO - As variedades oriundas da China são consideradas Bonsai de interior, ainda que lhes agrade o exterior durante a primavera e o Verão, devemos protegê-las logo que as temperaturas médias baixem dos 16 º C. Gostam de estar em exposições soalheiras, junto de uma janela (sem cortinas nem persianas), quando colocadas no exterior à que protegê-las ligeiramente, de modo a que só apanhem directamente o sol do inicio e final do dia. REGA - Visto ser sensível a fungos provocados por excesso de água, convém deixar secar ligeiramente a camada superficial do solo entre regas (principalmente no Inverno em que quase estagna o seu crescimento), regando-a depois abundantemente com um regador de ralos finos. NUTRIÇÃO - A Serissa deve ser adubada de Fevereiro a
93
Novembro, beneficiando com a aplicação de vitaminas o ano inteiro, gosta ainda de reforços nutricionais com adubos de Fósforo e Potássio que apresentam uma acção preventiva contra o aparecimento de fungos do colo (phitoftora). TRANSPLANTE - Ainda que o seu crescimento radicular seja lento, é aconselhável transplantá-la de dois em dois anos para garantir a ideal drenagem do solo, este deve ser constituído por uma Mistura Universal para Bonsai, a época ideal é quando as temperaturas se mantêm em torno dos 20ºC (Abril/Maio). MODELAÇÃO - Juntamente com a localização, a rega e a nutrição, a poda é um dos principais segredos para manter a Serissa forte e densa, responde muito bem a podas fortes rebrotando mesmo em madeira antiga, é importante não a deixar alargar-se muito pois perderá a densidade das folhas, devemos regularmente arrancar-lhe os gomos ladrões que brotam junto às raízes. Normalmente não se arama usando-se puxadas e tensores para direcionar, pode ser aramada na primavera mas a madeira é muito quebradiça. PROPAGAÇÃO - O método mais utilizado é por estaca de brotes novos durante a primavera.

sábado, 11 de maio de 2013

acer tridente


NOME COMUM - Acer Tridente
NOME CIENTÍFICO - Acer buergerianum
FAMILIA - Aceracea
ORIGEM - China e Corea.
CARACTERIZAÇÃO - Espécie de folha caduca e de crescimento rápido, muito atractiva devido à sua extrema resistência, força da brotação mas com entrenós muito curtos e também à pequena folha de três pontas, que no Outono adquire uma cor amarela, salpicada de vermelho.
LOCALIZAÇÃO - Colocar em pleno sol durante todo o ano, excepto nos períodos mais quentes em que deve ficar em semi sombra para evitar queimar as folhas.
REGA - Regar abundantemente enquanto tem folhas, mas deixar secar a camada superior do substrato entre regas. No Inverno regar moderadamente.
NUTRIÇÃO - Deve ser adubada e vitaminada desde a Primavera até ao início do Outono.
TRANSPLANTE - Deve ser transplantada de 2 em 2 anos, antes que comecem a surgir os novos brotos, com uma Mistura de solo Universal.
MODELAÇÃO - A poda de manutenção durante o período de crescimento, suporta bem defoliação, pode ser aramada na primavera (antes das folhas aparecerem) ou após defoliação (Julho).
PROPAGAÇÃO - Por estaca durante a primavera e verão, espécie de fácil propagação ideal para iniciados treinarem.

domingo, 5 de maio de 2013

AZALEIA



Nome Popular: Azaléia
Nome Científico: Rhododendron
Origem: Ásia
Ambiente: Durante a época de crescimento, as azaléias precisam de proteção (sombra) durante as horas
mais quentes do dia (das 10:00 às 16:00). Suportam bem o vento, apenas sendo necessário regá-las com
mais freqüência. Uma elevada umidade do ar é bastante conveniente. Pode ser um belo bonsai de interior,
desde que não fique em locais muito escuros e fechados.
Características: É um arbusto denso, podendo chegar até 1,50m de altura, com folhagem perene e semiperene,
verde-escura. As flores são relativamente grandes e possuem diversas colorações. Cresce de forma
lenta e regular. Devido a inumerável quantidade de variedades e espécies híbridas, torna-se difícil a correta
denominação das distintas espécies. Para bonsai, devemos evitar variedades com flores muito grandes, as
quais são mais sensíveis que as variedades com flores simples e pequenas que ficam mais proporcionais, mas
isso não é uma regra, apenas um conselho.
Adubação: Adubo orgânico pouco concentrado na primavera e no outono. Não adube durante a floração.
As azaléias gostam muito de adubos ricos em fósforo. Ex.: NPK 4-12-4. Um adubo riquíssimo em fósforo é
a farinha de osso.
Rega: As raízes secam rápido, e isso é fatal para a planta. Regue com freqüência durante todo o ano,
menos durante geadas e nunca deixe o solo encharcado.
Poda: Os brotos devem ser podados durante toda época de crescimento até o final do verão, quando
começam a aparecer os botões florais. As azaléias têm uma impressionante capacidade de regeneração.
Procure sempre fazer uma poda nos galhos muito densos, melhorando assim a aeração da planta, e também
permitindo que o sol atinja as partes internas da mesma. A azaléia é uma das poucas plantas que tem o
crescimento mais vigoroso nos galhos inferiores, devendo então podados mais freqüentemente.
Solo: As azaléias são plantas de solo ácido, exigentes em ferro. O solo deve conter bastante matéria
orgânica (pó de xaxim, casca de pinheiro ralada, matéria orgânica curtida etc.) É bom lembrar que
toda a matéria orgânica deve ser curtida por no mínimo 6 meses, pois os gases tóxicos que se formam nos 6
primeiros meses são prejudiciais à planta. Após curtida deve ser secada ao sol por alguns dias. Para compor
o substrato, pode-se utilizar a seguinte combinação: 30% de terra boa + 40% de matéria orgânica +
30% de areia grossa ou pedrisco (para facilitar a drenagem).
Limpeza: Elimine o excesso de botões florais e depois da floração, remova as flores murchas, bem como
todos os brotos do tronco. Mantenha sempre o solo limpo.
Transplante: A cada dois anos e, no caso de exemplares mais jovens, todos os anos (sempre depois da
floração). Corte 1/3 das raízes. Depois do transplante, espere no mínimo 3 semanas para podar.
Aramação: Da primavera até o outono, sem restrições.
Dicas:
Os galhos da azaléa se rompem com facilidade, então, para endurecê-los antes da aramação, é
aconselhável não regá-la um dia antes.
Evite molhar as flores para que permaneçam belas.
As azaléas não costumam ser cultivadas em vasos rasos.
Uma vez a cada 6 meses é bom enterrar um pedaço bem pequeno de palha de aço, em algum canto
do vaso. Ao se decompor irá liberar o ferro, elemento primordial para a azaléia.